Skip to content

O ogro

sábado, março 6, 2010

Wayne Rooney deve ter sido um desses guris metidos que prometem — e cumprem — bater em todo mundo, às vezes apenas por um olhar atravessado ou uma negativa audaciosa. A Inglaterra (mas não apenas) está cheia do tipo, que pululam nos subúrbios empobrecidos das cidades industriais, gente bronca, normalmente filhos de bêbados violentos que serão bêbados, e provavelmente violentos, também. Mas Rooney hoje não é mais aquele projeto de hooligan que chegou ao Everton de Liverpool, oito anos atrás. Dia desses li uma longa entrevista sua (para o Guardian, se não me engano) e me impressionei com o que tinha para dizer: eram palavras de alguém que pondera muito antes de falar e, sobretudo, aprendeu bastante coisa.

Como normalmente acontece em boas entrevistas, o esportista que se vê questionado sobre tudo o que vai além do seu papel diário como jogador nos fornece informações interessantes sobre a pessoa que é (quase sempre não precisaríamos saber nada a respeito, mas às vezes nos sentimos curiosos). Posso me dizer impressionado com Rooney. Não me surpreende mais que seja, para mim, o melhor jogador do mundo na atualidade.

Nas fotos que preenchem os muitos sites com fichas de jogadores de futebol, o corpulento inglês de Croxteth (subúrbio da cidade dos Beatles) ainda tem aquele olhar ameaçador de guri criado na rua. É uma harmônica mistura de desconfiança, rebeldia e frieza. Já no seu site oficial, uma frase chama a atenção enquanto o ogro nos fita com olhar um pouco menos intimidador. Sir Alex Ferguson disse que “nós [o Manchester United] temos o melhor jovem jogador que esse país viu nos últimos trinta anos”. Ali mesmo há uma matéria de jornal reproduzida em que o autor (repórter do Daily Telegraph) se diz surpreso pelo fato de Rooney ser muito mais inteligente e consciente do que sugere a sua “caricatura”.

O camisa 10 do Manchester United tem apenas 24 anos — e não é que eu queira transmitir a idéia de que é um gênio das palavras ou do sentimento humano. Mas não consigo deixar de pensar que Rooney poderia ser um ninguém. O grande mérito dele está no fato de ter consciência disso, do que estava em jogo. Do contrário, perderia ele próprio. E nós também.

Rooney, com seu 1,78 metro, fez cinco gols de cabeça nas últimas semanas em confrontos importantes — aqui em Milão, pela Champions, marcou duas vezes contra o Milan; contra o West Ham, também dois gols; e decidiu a Carling Cup para os Red Devils também de cabeça, na semana passada. Dribla bem, usando a imposição física e uma certa habilidade bastante objetiva. Tem o chute forte, bom preparo e velocidade. O principal acréscimo ao seu repertório é o fato de não ser mais expulso por qualquer bobagem. Permancendo em campo, tende a se familiarizar tanto com o contexto do jogo que é capaz de marcar ao natural, por exemplo, num ambiente de pressão como o que o Milan preparou há alguns dias.

Rooney é a essência do tipo de jogador que mais aprecio. Não que pedaladas (em doses homeopáticas) não sejam divertidas, mas o que mais me comove no futebol é a beleza na objetividade. O ogro de Liverpool tem gana suficiente para jogar como se joga na infância e na adolescência — horas e horas seguidas —, e faz isso com objetividade, que mais ou menos, acho eu, sintetiza uma certa paixão pelo jogo em si.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: