Skip to content

Cantofabule, a ressurreição

quarta-feira, junho 18, 2008

Decidi que Cantofabule merece atenção e dedicação. Na internet, tanto se fala e se afirma, se diz e desdiz, por que comigo seria diferente? Portanto, pensando na ressurreição deste humilde espaço, dou fim a uma pauta que há mais de ano postergo: a origem do nome. Cantofabule nada mais é que o título de um grande disco lançado no longínquo ano de 1975. Esse tempo parece ainda mais distante se pensarmos na natureza da homenagem que estou prestes a fazer. Meu tocador de mp4 constantemente reproduz Cantofabule, trabalho genioso de uma banda romena chamada, bem a propósito, Phoenix (sei que estou sendo didático; a causa disso é o temor que coisas novas e “diferentes” causam no público médio de nossa sociedade “globalizada”, e o temor que esse temor me causa). Evidentemente, minha opinião sobre o álbum é a melhor possível: vívido, riquíssimo, provocador, sábio até, de um rock temperado com citações eruditas, folclóricas, fruto de uma história contraditória — como é a própria Romênia. Um grupo de jovens originário de Timişoara, quase na fronteira com a Sérvia, pelos idos do final dos anos 1960 decidiu fazer música num contexto bastante desfavorável. Reinava Nicolae Ceauscescu, ditador comunista, e por essa época qualquer manifestação cultural estava dependente da boa-vontade das autoridades. Surgidos para o país em um festival juvenil organizado, obviamente, pelo PC, a banda foi obrigada a alterar seu nome por imposição oficial. Não me recordo o nome original, mas Phoenix é já o subterfúgio. Pouco tempo depois, em 1973, lançavam o primeiro registro, um disco composto de 10 faixas de qualidade assombrosa, ironica e astutamente intitulado Cei Ce Ne-Au Dat Nume, “aqueles que nos deram o nome”. Em 1974, novo álbum, o muito bom Mugur de Fluier. Ambos os trabalhos incomodaram à cúpula diretiva, que insistia que a arte da banda continha nefastas influências “ocidentais”. Nicolae Covaci, a “alma” do Phoenix, ainda que irado com os desmandos, jogou o jogo e compôs Cantofabule, álbum com 14 canções que reproduzem poemas inspirados nos antigos bestiários medievais, teoricamente agradando à truculência intelectual ao trazer para o foco as tradições locais. Até onde chega meu (ainda) incipiente romeno, cada faixa desse disco trata de um ser fantástico, fazendo referências veladas ao contexto social — algo como foi tentado aqui durante nossa “ditadura-do-extremo-oposto”. (No ProgArchives, excelente guia para orientação no vasto mundo da música progressiva, da clássica graduação das cinco estrelas, Cantofabule e Cei Ce Ne-Au Dat Nume têm, respectivamente, notas 4,52 e 4,60).

Apesar do reconhecimento, os integrantes tiveram de fugir do ambiente de opressão do país. O líder nato, Covaci, após ter conseguido escapar, teve a grandeza moral de ajudar seus companheiros numa fuga de contornos dramáticos, com seus amigos escondidos dentro de amplificadores para ludibriar a rígida polícia de fronteira — como se sabe, o êxodo dos países “comunistas” (aspas totalmente sob minha responsabilidade) era interpretado como a falência do regime e, portanto, uma heresia. Já no “Ocidente”, cada um seguiu seu rumo, até encontrarem-se para produzir outros excelentes álbuns nos anos 90 e 2000. Covaci, radicado na Alemanha, é hoje um renomado muralista e escultor.

Conto essa história para, além de fustigar a curiosidade de alguns poucos, sugerir a todos uma reflexão sobre o que fazemos da e com a cultura que temos nesses tempos tão “livres”. Somos realmente livres, cultural e humanisticamente? Se sim, por que tenho a impressão de que não surgirão, como não surgiram até agora (falo de um passado recente), outros muitos Phoenix e Cantofabules?

:: Phoenix
:: Cantofabule
:: 1975
:: LP Electrecord Romania
:: 69:04

  1. Invocaţie (10:13)
  2. Norocul inorogului (3:19)
  3. Scara scărăbeului (2:20)
  4. Delfinul, dulce dulful nostru (5:49)
  5. Uciderea balaurului (4:35)
  6. Ştima casei (2:21)
  7. Pasărea calandrinon (5:50)
  8. Filip şi cerbul (4:30)
  9. Vasiliscul şi Aspida (3:55)
  10. Sirena (3:45)
  11. Pasărea Roc…k And Roll (5:32)
  12. Cântic-lu a cucuveauă-lliei (7:07)
  13. Zoomahia (6:04)
  14. Phoenix (3:44)
Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: